Baixe o aplicativo da Ajudes nas lojas
Área do Associado Ajudes
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR

Ajudes

NEWSajudes

NOTÍCIAS

 



30/01/2019 - Vacina H1N1 2019: tire suas dúvidas sobre a vacinação

 

A campanha de vacinação contra a gripe começa no próximo mês de abril em todo o país. Associados da Ajudes já podem adquirir a sua vacina pelo site até o dia 29 de março. Para deixar você mais tranquilo para realizar a compra da vacina e não ter dúvidas sobre o produto, reunimos neste artigo as perguntas mais frequentes sobre a vacinação.

Antes de responder as dúvidas, é importante destacar que quem faz uso da vacina está protegido contra os tipos de influenza mais comuns que estão circulando num determinado território, e não contra qualquer forma de gripe ou condição respiratória. A composição do produto da vacina e os tipos de vírus são definidos anualmente pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Assim que a OMS divulga os tipos de vírus, os laboratórios começam a fabricar a vacina.

 

Dúvidas frequentes

1) Quem deve tomar a vacina?

Para se vacinar, é preciso que a pessoa não tenha alergia aos componentes do produto. Pessoas com pressão alta, diabetes, que fizeram transplante, e com demais condições, devem e podem se vacinar. Caso a pessoa tenha passado por uma cirurgia recentemente ou tenha tomado uma outra vacina, ela também pode se vacinar normalmente.

 

2) Quem não pode tomar a vacina?

A vacina não é indicada para pessoas com alergia grave ao imunizante.

 

3) A vacina tem reações? Posso ficar doente?

A reação mais comum apresentada pela vacina é a de sentir dor na região em que ela foi aplicada. Há casos em que se apresente febre e mal-estar, em razão das reações ao sistema imune.

Em situações raras, é possível que aconteça reações alérgicas, como a vermelhidão na pele, lábios inchados e a língua mais grossa.

 

4) A vacina, na Ajudes, está disponível para comercialização de todos?

Sim, o associado titular pode solicitar a dose da vacina para si, dependentes, familiares e demais aquisições que julgar necessária. O valor praticado para o titular é de R$50, já para as demais aquisições, está no valor de R$73. Clique aqui e adquira a sua.

 

5) Qual o preço da vacina praticado pelo mercado?

As vacinas estão sendo comercializados a um preço que varia entre R$100 e R$130 reais.

 

6) Quantas doses devo tomar?

Como os vírus do influenza mudam muito, é preciso renovar a dose vacina anualmente.

 

7) Qual a composição da vacina? 

A formulação da vacina da gripe quadrivalente para 2019, já aprovada pela ANVISA:

- 1 virus influenza A/Michigan/ 45/ 2015 (H1N1) 

1 vírus influenza A/ Switzerland/ 8060/ 2017 (H3N2)

-1 vírus influenza B/ Colorado/ 06/2017 ( linhagem B / Victoria/ 287

- 1 vírus influenza B / Phuket / 3073/ 2013 (linhagem B/ Yamagata/ 16/ 88).

 

8) Posso pegar gripe após tomar a vacina?

Não. A vacina é feita com vírus inativado, ou seja, morto. Dessa maneira, não há possibilidade de atacar o organismo.  O que costuma acontecer é que, pela vacina ser aplicada entre o outono e inverno, período de maior circulação do vírus causador, é comum que outros tipos de vírus, que não constam no produto, causem a doença.

Com isso, tem-se a impressão de que foi o imunizante que levou aos sintomas, mas na verdade foi outro tipo de infecção.

 

9) Gripe e resfriado é a mesma coisa? A vacina da gripe protege contra o resfriado?

A doença da gripe é pelo vírus influenza. Já o resfriado é também causado por um vírus, mas de outros tipos, como os rinovírus.

A diferença entre os dois é que na gripe há a febre alta e no resfriado os sintomas são mais brandos e a febre é menos comum e, quando ocorre, é bem mais leve.

 

10) Além da vacina, quais outros cuidados posso tomar para evitar a doença?

Alguns cuidados são: lavar as mãos, usar lenço descartável para limpar o nariz, não dividir objetos de uso pessoal - como talheres, pratos, copos ou garrafas, por exemplo.

Em ambientes bem ventilados, é importante evitar contato próximo com pessoas que apresentem os sintomas e cobrir o nariz ao tossir e espirrar. Especialistas indicam usar a área entre o braço e o antebraço para que os vírus não fiquem na mão.

 

Fonte: com informações do G1